Notícia

voltar
 

Em alta, negócios via permuta exigem muito cuidado

Até mesmo na hora de trocar são necessários contrato e inscrição em rede de permuta séria
A massificação da internet e das redes sociais  está reativando o “escambo” direto entre pessoas ou empresas com muita velocidade. São inúmeros os grupos de trocas! Troca-se de tudo: roupas, livros, carros, imóveis, móveis, objetos, entre tantas outras coisas.  As palavras “permuta”, “desapego”, “rolo” e “toma lá, dá cá”, se tornam cada vez mais comuns, devido à facilidade de comunicação e a publicação de fotos e informações.
Porém, é necessário tomar cuidado, pois infelizmente a facilidade pode vir disfarçada de golpes, pessoas ou empresas mals intencionados. Neste caso, o melhor mesmo é desconfiar e procurar uma maneira mais profissional e segura de fazer permuta, já que é realmente o negócio do momento. Com a crise, uma das saídas encontradas por algumas companhias é trocar produtos e serviços “ociosos” – com baixa procura - por aquilo que precisam. Por exemplo, uma loja de roupas que precisa vender toda a coleção de inverno e não consegue - por causa da queda no movimento de consumidores -, pode colocar parte desse estoque em permuta e trocar por, por exemplo, um novo sistema de segurança ou serviços de faxina. Com o dinheiro economizado, poderá reforçar a coleção “primavera-verão”. 
Companhias de diferentes portes estão optando pelo negócio, porém são precavidas e tomam muito cuidado. O recomendável é entrar numa rede de permuta séria, que faça intermediação no negócio, que ultrapasse o comércio de troca bilateral – muito praticada virtualmente. O ideal é buscar o inovador conceito multilateral onde cada cliente opta pela quantidade e pela qualidade do produto ou serviço que "adquire", determinando de quem o adquire e pagando-o em Unidades de Permuta (UPs), que são créditos recebidos em troca dos produtos ou serviços disponibilizados e vendidos no intercâmbio.
 
Outro cuidado a ser tomado é que a permuta deve ser previamente avaliada, contendo preços, prazos e condições de venda. Lembrando que, pela legislação brasileira, os impostos e tributos para vendas em permuta não são diferentes das vendas em dinheiro, sendo obrigatória a emissão de nota fiscal entre as partes. 
 
Se a sua empresa ainda não pratica permuta, uma pergunta a ser feita é se a companhia prefere pagar em dinheiro os produtos ou serviços a serem adquiridos, ou pagar com seus próprios serviços ou produtos. Quando o empresário entende que pode adquirir com a troca serviços que precisa na companhia - como segurança, limpeza, entregador, logística, publicidade, impressão, entre outros; e produtos como papelaria, produtos de higiene, brindes etc. -, a resposta se torna óbvia: se vou adquirir o que preciso, pagando com o que tenho, vale a pena, sim, pagar em permuta.
 
 
Artigo de: Alessandro Candiani – Presidente da Permute
 

Fonte: Estilo Press Assessoria
Loja Virtual

Conheça a nossa

Loja virtual

clique aqui
Tel: (11) 3613-4800
Facebook Instagram LinkedIn Twitter
Subir